Lisboa

Anfitriões: Eduardo Salavisa, Margarida Donas Botto e Jorge Vila Nova

Ponto de Encontro: Largo/Miradouro das Portas do Sol às 10h00

Programa:
10h00 – Início nas Portas do Sol descendo as ruelas e becos de Alfama até ao Largo do Chafariz de Dentro, frente ao Museu do Fado.

12h30 – Reunião junto ao Chafariz de dentro – fotografias de grupo e partilha de cadernos.

13h00 – Almoço (brevemente mais informação)

14h30 – Subida até ao ponto onde teve início o percurso – Largo das Portas do Sol.

17h30 – Reunião – partilha de cadernos e fotografia de grupo.

Aos pés do Castelo de São Jorge, entre este e o mar, está o bairro humilde e antigo de pescadores de Alfama. Essência de Lisboa, bairro de cheiros e sentimentos, de vida tímida e berço do fado – expressão da melancolia do povo português.
As suas ruas, becos e escadarias. íngremes e estreitas, que não foram pensadas para o trânsito sobre rodas, inspiraram alguns dos mais belos versos de fado.
Na parte alta da Alfama, no miradouro das Portas do Sol, temos uma magnífica panorâmica de todo o bairro, que desce até o Tejo, e ao porto.
O bairro da Alfama já era habitado na época visigótica – testemunho da presença deste povo a muralha visigótica junto às Portas do Sol.
É possível ver a passagem dos romanos pela cidade através das ruínas do Teatro Romano (Séc. I a.C.), situadas na rua da Saudade e no interior da Sé, ícone da cidade. A maioria das igrejas cristãs foram destruídas com o terremoto de 1755.
Numa cota mais baixa ainda se vislumbra parte da muralha islâmica de Lisboa – Cerca moura.
Como não podia deixar de ser, o Museu do Fado localiza-se em Alfama, frente ao Largo do Chafariz de Dentro.
Este Largo de Alfama na confluência entre a Rua do Terreiro do Trigo, Rua Jardim do Tabaco, Rua dos Remédios e Rua de São Pedro, denominado do Chafariz de Dentro é um arruamento com muitos séculos que considerado por alguns estudiosos  «o Rossio de toda a Alfama, ou melhor, o seu Terreiro do Paço pois muitos séculos não há que o mar aqui chegava.» O chafariz, que está em funcionamento desde o séc. XIII, ganhou o nome de Dentro porque no século XIV ficava entre muralhas, tendo sido também conhecido como Chafariz de Alfama. A Cerca Fernandina tinha então uma porta para este Largo que recolheu o nome do chafariz.

FOTOGRAFIAS

Anúncios